terça-feira, 30 de setembro de 2008

Vocaçao

As universidades de Montreal oferecem um serviço de orientaçao profissional cujo objetivo é redirecionar os estudos e a carreira do candidato interessado em voltar aos bancos escolares. Um pouco mais aprofundado do que um simples teste vocacional, a pessoa marca horario com um desses orientadores e durante 1h é traçada sua trajetoria profissional e acadêmica, bem como as possbilidades dali para frente. O serviço nao sai de graça e para os estrangeiros, chega a custar 75 dolares por sessao.
Alguns dizem que esse tipo de auxilio nada mais é do que perfumaria barata. Ao final de cada teste, o orientador tenta te convencer de que o melhor para seu futuro é fazer um curso de engenharia robotica mesmo que suas habilidades estejam nitidamente concentradas na area de humanidades. Mas, como a demanda por engenheiros aqui é grande, cada um tenta puxar a sardinha para seu lado.
Mais pratico e objetivo, porém, sao os mesmos serviços oferecidos também nas universidades, mas abertos ao publico em geral. Claro, nada é anunciado nos sites das faculdades e o atendimento nao é tao VIP assim. Entretanto, é gratuito, a consulta tem duracao de apenas 30 minutos e a idéia é nao perder muito tempo em analises comportamentais, de personalidade e outras subjetividades.
Esse teste vapt-vupt avalia seu caso, propoe um plano B, orienta para qual universidade você deve se dirigir, avalia a necessidade de estudar o inglês ou francês - dependendo do curso que se pretende seguir -, e indica também as chances de conseguir uma bolsa de estudos. Ou seja, tinha marcado horario com um orientador profissional a 75 dolares, mas mudei de ideia e optei por esse programa mais popular. Quem sabe nao arrumo uma bolsa de estudos e dou uma guinada na minha profissao aprendendo outro métier.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Mama Mia!

Finalmente minha colocataria encontrou alguém para me substituir. Estou contente, porque isso significa que nao terei de pagar o aluguel de outubro. Nao comentei nada antes, mas para deixar uma colocacao, mesmo que nao haja nenhum contrato assinado, é preciso anunciar a saida pelo menos 30 dias antes. Caso contrario, paga-se o aluguel mesmo que você deixe a casa. Depois, paga-se novamente outro aluguel na nova casa para onde você vai. Como nao fiz nada disso, havia uma forte chance de ter que desembolsar um bom dinheiro por conta de um aviso previo que desconhecia. Pensei que uma semana de antecedência bastava.
Esse foi um dos fatores que atrasou minha partida. Precisava esperar até 1 de outubro para saber se ela arrumaria ou nao alguém e, consequentemente, se deveria ou nao desembolsar o dinheiro do aluguel. Como o periodo nao é bom para arrumar novos colocatarios, pois grande parte dos imoveis ja foi alugada logo depois do volta às aulas, em setembro, tinha pouca esperança de que encontrasse alguém. Pior ainda quando disse que somente havia recebido quatro ou cinco telefonemas de pessoas interessadas.
Estava quase desembolsando o dinheiro de outubro quando um rapaz italiano veio hoje à noite aqui em casa. Muito animado, exageradamente falante, bastante expansivo, bom cozinheiro e dramatico, de cara seduziu Marie. Também nao escondeu o fato de ser gay, o que a agradou ainda mais, pois segundo ela nao haveria risco de ser agarrada por um tarado pevertido.
Para vocês terem uma idéia do grau de tragedia que é o rapaz, seus olhos verteram lagrimas quando disse que estava esgotado de procurar apartamentos. Marie pediu para que ele nao chorasse, mas o rapaz argumentou que era emotivo (as pessoas sao naturalmente loucas, mas as daqui sao doidas pra valer!!! rs...).
Tanto entusiasmo fez Marie se esquecer de que ela mesma havia me pedido um prazo até 1 de outubro para deixar a casa e nao hesitou em me perguntar se eu podia ir embora logo. Argumentou que nao entendia por que eu estava demorando tanto para sair, ja que na semana anterior minha afliçao para abandonar o navio era evidente.
Expliquei que fiquei ate o momento porque nao sabia se finalmente pagaria ou nao o aluguel e esperava um posicionamento dela para ver quem me substituiria. Combinamos que parto na quarta-feira à tarde e o italiano chega no começo da noite. Espero que ambos se entendam bem, pois minha (ex) colocataria parece ja estar fazendo planos de amizade (que medo!) com o novo colocatario. Quanto ao italiano, desejo-lhe boa sorte e coragem. Ele vai precisar.

domingo, 28 de setembro de 2008

Feijuca

Hoje fui a uma feijoada preparada pela mae de um brasileiro que chegou a Montreal para visita-lo. Mineira e, como tal, cozinheira de mao cheia, a anfitria soube improvisar e nao deixou faltar nada, ainda que tivesse de substituir um ingrediente aqui e ali.
Com um fogao eletrico de apenas quatro bocas, a feijoada serviu bem pelo menos umas 15 ou 20 pessoas, a maior parte de brasileiros residentes em Montreal e um ou outro quebequense. Sobrou até para fazer a famosa tuppeware e levar para casa. Estava tudo delicioso!

sábado, 27 de setembro de 2008

Fazer Xixi

Acabei de sair da casa de um amigo que mora em Beaudry, o bairro gay de Montreal. Para variar, me perdi um pouco pelas ruas e quando fazia o caminho de volta, reparei num carro vermelho esportivo e luxuoso estacionado ao lado da calçada. Escondida atras da porta, uma prostituta (pelo menos parecia ser) baixou a calcinha, posicionou-se confortavelmente e fez xixi na calçada.
Quando se curvou, pensei que tinha se dobrado na altura da janela para falar com algum cliente. Que nada! A loira oxigenada, toda cheia de silicone e vestida num modelao inteiramente prateado, nao se intimidou com minha aproximacao e tratou de esvaziar a bexiga ali mesmo.
Depois, toda faceira, ajeitou a calcinha, saiu detras do carro sorridente e saltitante com suas super botas de saltos estratosfericos e disse, num inglês cambaleante: sorry, sorry! I have to do a pipi! Eu, fazendo cara de que afinal de contas é super natural fazer xixi na calçada escondida atras de um mega carro vermelho, respondi: It's ok. No problem! O xixi escorreu calçada abaixo, a mocinha entrou no seu carro e saiu num rasante. Eu segui ate o metro e segurei ate chegar em casa para esvaziar a bexiga no banheiro. Quem pode, pode. Quem nao pode, faz xixi nas calças.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Aldeia Global

Acabei de chegar do aniversario de Nathalie, francesa cujo namorado, tambem frances, viveu no 20 distrito de Paris, o mesmo onde morei quando estive em 2001. Nathalie nao nasceu em Paris, mas ali vive por conta do trabalho e de toda uma vida que se configurou na cidade. Ficamos amigas porque nos encontrarmos no Meetup a fim de aprender inglês. Temos em comum a cidade luz.
Um belo dia, ela me apresenta Kristy, alema com quem ja havia cruzado numa dessas reunioes oferecidas pelo servico de imigracao logo quando cheguei em Montreal. Eu e Kristy praticamente nao nos falamos na ocasiao e somente voltamos a nos encontrar recentemente, graças a Nathalie que, sem saber de nossas trajetorias, nos (re)apresentou no Meeting.
Curiosamente, Kristy conhece o Brasil e passou quatro semanas em Sao Paulo, mais precisamente na Frei Caneca, regiao da Av.Paulista e Bela Vista, hospedada no apartamento de Ana, brasileira que atualmente mora em Barcelona por conta doutorado. Ana e Kristy se conheceram na India.
Ontem, Ana chegou em Montreal para passar somente um final de semana. Logo fomos apresentadas e descobrimos que somos da mesma cidade e frequentavamos os mesmos lugares em Sao Paulo. Todos reunidos numa mesa de um pub falando inglês, português e francês. É ou nao é uma aldeia global?

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Ultimos Acontecimentos

Como estou com uma preguiça enorme de pensar e escrever, hoje relatarei somente os ultimos acontecimentos:
1) Hoje faz exatos 60 dias que estou em Montreal. Quando estava em Sao Paulo, pensei que em 2 ou 3 meses estaria completamene adaptada. Mas, 60 dias nao é nada!
2) Comprei as caixas de som para conectar meu Ipod. Sao lindas! Agora, poderei tocar minha seleçao de musicas em casa.
3) Preciso fazer uma carta de apresentaçao e entregar para Michel, meu conselheiro do SIMO (Service d'Intégration au Marché de Travail). Em Montreal, além do curriculo, sempre é necessario apresentar um carta de motivaçao. Michel vai avalia-la e dizer se esta dentro dos padroes daqui. Hoje tinha me programado ir à Biblioteca Nacional e escrevê-la. Quem disse que eu fiz?
Fiquei passeando, cheguei na biblioteca, sentei num café, conectei-me à internet e passei mais de uma hora vendo email, lendo blogs, enfim, matando o tempo. Ai, um rapaz bem bonitinho e meio doidinho passou perto de mim, deu uma olhada, eu retribui, ele ficou ciscando por perto. Para ele parar de ciscar, dei um sorrisinho e ele finalmente se aproximou. Disse que estava timido e por isso ficou por ali, fazendo cara de paisagem. Oh tadinho!!!! Ta vendo como de vez em quando precisa facilitar as coisas?
Enfim, conversamos e trocamos emails, pois como me mudo de casa em breve, ficarei sem telefone por uns dias. Ele se chama Louis e antes de ir embora, disse: veja se me escreve, mande uma mensagem. Aqui é tao engraçado! Os meninos é que dao o telefone ou o email e a garota é quem liga. Legal isso, ne?
4) Quando estava pronta para ir embora, mudei de idéia, peguei o metrô e desci no Vieux Montreal. Andei por la e depois comi no McDonald's. Pois é, acabar o dia no Mac nao era minha intencao, mas a fome apertou e voces sabem que nao me controlo.
5) Peguei o metro para casa e no caminho decidi que nas proximas semanas vou aprender a andar de ônibus. Ainda nao sei quais sao as linhas e o trajeto porque simplesmente estou sempre no metrô. Na verdade, a ideia é pegar qualquer onibus e ir ate o ponto final ou descer no meio de caminho se a paisagem me agradar.
6) Nao vejo minha colocataria desde segunda-feira, quando anunciei minha partida. Acho que amanha e no final de semana nosso encontro sera inevitavel. Estou fugindo dela, tadinha. No fundo, gosto da criatura, mas quem mandou ser bruxa? E pior que comprou uma vassoura daquelas de bruxa para varrer o gelo do inverno que se aproxima. Adivinhem onde ela a colocou? Atras da porta! É ou nao é bruxa?
7) Amanha tem festa de aniversario de Nathalie, parisiense que conheci em Montreal e que ja foi comentario num dos meus posts. Vamos a um pub ingles que tem pista para dançar. No sabado, tem Meetup, para falar um pouco de ingles e conhecer gente nova. No domingo, se der certo, tem feijoada com um grupo de brasileiros que conheci por intermedio de Eduardo, outro brasileiro de Curitiba que fiz contato pelo orkut.
8) No meio de uma conversa, deixei escapar meu salario-hora para minha colega de trabalho, a Flavia, peruana que faz a parte de francês e espanhol do site. Ambas fomos contratadas para a mesma funcao, exceto que eu cuido da parte em português. Acontece que Flavia ganha menos do que eu, mas é apenas 1 dolar a menos de diferença! Nao é nada, ne? Fiz cara de besta e desconversei, mas acho que ela nao gostou muito.
9) Ganhei do irmao gêmeo da minha colocataria uma capa em couro vermelha bem bonita para colocar meu Ipod. É mais ou menos como as capas de telefone celular que temos no Brasil. O problema é que ele inventou de me dar o presente justo no dia em que anunciei minha saida de casa. Recusei o agrado dizendo que nao fazia sentido aceitar um presente num momento que estava de saida. Ele insistiu. Se bem que ate ir embora de vez é capaz que minha colocataria o peça de volta, pois assim o fez com o mouse sem fio.
10) Ontem fui a um restaurante no bairro chinês. Estava no caixa separando o dinheiro para pagar quando percebo uma velhinha me olhando fixamente e sem o menor constrangimento. Pensei: ai meu deus, la vem para o meu lado. Quando olhei para o lado, la estava a chinesinha, toda pequena, magrinha e de cabelos brancos falando em chinês comigo. Eu apenas respondi: Sorry? Gente, vou ter de aprender chinês para falar com esse povo.! Outro dia, um chinês meio doidao me seguiu na plataforma do metro, no mesmo bairro chinês. Tratei logo de colar numa velhinha quebequense que estava esperando o trem.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Ritmo De Espera

Por enquanto, em ritmo de espera, mas tudo em paz. Passada a fase de ansiedade por conta da mudanca de casa prevista para acontecer na terça-feira e transferida para 1 de outubro, e recuperado o ânimo e a energia depois de uma TPM maldita, hoje posso dizer que ate senti lampejos de felicidade.
No mais, reduzi um pouco minhas expedicoes por Montreal, mas sempre estou aqui e ali nos bairros e regioes de que mais gosto. Finalmente, acabamos elegendo os lugares onde nos sentimos mais à vontade e por la nos assentamos. Ontem mesmo, fui ao Quartier Latin, peguei um cinema, comi um hamburguer no La Paryse e parei num internet cafe antes de tomar o metro de volta para casa.
Em pleno final de setembro, o clima anda generoso com os quebequenses. Faz frio como os dias mais gelidos do inverno de Sao Paulo, mas as tardes luminosas de outono e as temperaturas amenas sao uma delicia!

domingo, 21 de setembro de 2008

Arrasta Muamba

Sexta-feira encontrei dois lugares para minha futura casa. Fiquei em duvida, hesitei, pensei, troquei ideias com algumas pessoas. Hoje, tomei minha decisao e amanha começam os preparativos da mudança. Primeiro, sera o anuncio da partida. Creio que esta é a parte mais complicada, pois quem vai receber a noticia nao gosta de ser contrariada. Depois, arrastar a muamba que ja acumulei e chegar na nova moradia. Ai, tudo de novo, outra pessoa, nova adaptacao que, espero, seja para melhor. Depois que a poeira baixar, volto e conto os detalhes.

sábado, 20 de setembro de 2008

Cof, Cof, Cof...

A gripe anunciada na quinta-feira finalmente chegou. Tosse, dor nas costas, congestao nasal, cansaço e garganta ruim sao os sintomas que me fizeram dormir a tarde toda hoje, depois de tomar um remedio que provoca uma sonolencia infernal. Mas, foi melhor assim, mesmo sabendo que estava pronta para sair de casa e ir a mais um Meetup quando resolvi descansar um pouco. Agora, em forma e devidamente alimentada, vou sair com Nathalie, parisiense de 22 anos, fofa e por quem tenho grande empatia. Ela acabou de me ligar para saber se nao queria fazer alguma coisa. Aceitei. Pelo menos dou uma voltinha por ai.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Sobre Hoje

Sexta-feira puxada. De manha, trabalho. Volto para casa, preparo meu almoco e saio para visitar mais um cafofo. Tudo indica que o encontrei, mas prefiro nao dar detalhes porque o teclado tem ouvidos. Quando estiver devidamente instalada, conto tudo para vocês, sem ocultar nenhum detalhe sordido que motivou meu deslocamento. Final da tarde, encontro com Edu, brasileiro que fiz contato pela net e que vem tentando me ajudar nessa empreitada de buscar cafofos por Montreal. Curitibano bonissimo que ao perceber minha insatisfaçao no quesito sem teto, tratou de me apresentar outros amigos brasileiros num bar muito bacana chamado Sainte Catherine. Foi bem legal falar portugues praticamente a tarde e a noite inteira, conhecer gente jovem, bonita e animada.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Quatro Categorias de Homens

Os homens daqui sao, na média, bonitos. Atenta ao movimento das ruas e à beleza masculina que circula por Montreal, observei que quatro categorias de homens, porém, sao mais belos que os demais: os lixeiros, os seguranças, os carregadores de caixas e os mendigos.
Nao tenho necessariamente fetiche por essas categorias de trabalhadores, mas é inegavel que eles sao uns fofos. Magros, alguns sao altos, fortes, olhos verdes ou azuis, bilingues e de uma educaçao impar, a vontade é de levar para casa, dar um banho e nao deixar mais sair.
Ontem mesmo, na estaçao central, tinha um jovem mendigo loirissimo que, tomado pela fome, comia desesperadamente um pedaçao de pao. Acho que antes tinha devorado um pote de macarrao e deixou cair um pouco no chao, proximo à escada rolante. Estava sujo feito um cao sem dono, mas nao perdeu a classe e com o mesmo pote de macarrao esquivava-se das pessoas que desciam a escada para tentar recolher os restos esparramados pelo chao e joga-los no lixo ao lado.
A mesma educaçao para os lixeiros que fazem a coleta aqui na minha rua, os seguranças de shoppings e o carregador de caixas de batata do mercado proximo à avenida principal. Fortes, sorridentes (se bem que o carregador tem cara de mau. Ai que medo!) e finos, eles dizem: Bonjour Madame! Ok, tudo bem que às vezes sai um Nihao, porque vocês sabem que aqui sou chinesa. Mas, como sao bonitinhos e a essa altura do campeonato e da vida, nao disfarço mais meus momentos de apreciaçao estética, retribuo com a mesma elegância: Bonjour Monsieur! E viva a classe operaria!

Tô Louca!

Sem novidades no front. O outono finalmente chegou, com temperaturas a 5 graus pela manha, continuo procurando (e nao acho) outro apartamento para dividir porque minha amiguinha - nao vamos citar nomes - é como aquele produto que voce compra no Paraguai e logo descobre a farsa, estou com uma TPM maldita que me enlouquece com as oscilaçoes de humor e as alteraçoes no corpo (hoje chorei um pouquinho no metro. Sei la, de repente fiquei triste e as lagrimas correram naturalmente), e para finalizar, estou levemente resfriada e acho que o negocio vai piorar, pois minha garganta começa a dar sinais de que vai inflamar. Quando isso acontece, todo meu sistema respiratorio fica comprometido.
Além disso, hoje um louco me abordou na Biblioteca Nacional. Gosto dos loucos, mas quando estou nessa fase chatinha, minha curiosidade e a vontade de interaçao com os outros diminui um pouco. Mas o doido me perguntou se eu era chinesa (para variar) e pediu 10 minutos da minha atençao (veja que precisao) porque queira conversar comigo sobre a China. Respondi, pela milesima vez, que sou brasileira de origem japonesa e que ja estava de saida (o que era verdade). Mesmo diante da diferença de raças e da minha recusa em conversar, ele nao se intimidou e meteu-se a falar da China. Ontem, foi a mesma coisa. Nao tinha cara e jeito de muito louco como o de hoje. Talvez disfarçasse bem.
O fato é que em Montreal, se você nao esta com vontade de entabular uma conversa com estranhos, simplesmente nao esboce nenhum sorriso. Mostrar ou retribuir um olhar mais amistoso, responder a alguma pergunta ou simplesmente sorrir, sao o passaporte para que muitos iniciem uma conversa, estendam o bate-papo num café e terminem contando facilmente toda sua vida.
É pior do que em Sao Paulo quando te abordam em lugares especificos, como em todas as filas que frequentamos, no onibus ou no supermercado. Em Montreal, como nao tem a multidao de Sao Paulo para arrastar qualquer um que vacilar ou ficar parado, aqui sobra tempo para procurar o cafe mais proximo, escolher uma mesa e falar horas a fio. Parece que ha uma necessidade de expor um pouco de si, compartilhar quem se é e o que se sente.
Para Constar:
1) Ontem fui a um bar chamado L'Escalier ou A Escada, em português. O convite surgiu de uma parisiense que conheci no Meetup (grupo de pessoas que se reune para falar francês e inglês todos os sabados). Nesse bar, o objetivo foi tambem encontrar um outro grupo, o do Meeting, para conversacao. Na ocasiao, conheci Myke, um cara fluente em ingles que procura alguém que fale, escreva e leia português para a traduçao de textos de uma grande feira de aeronautica que acontecera no Brasil. Bingo! Talvez arrume um frila de traduçao. Na proxima semana, ele tera uma reuniao para acertar detalhes, mas é praticamente certo que eu faça o trabalho.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

So Fica Sem, Quem Quer

Fui conferir o Salao do Emprego que acontece hoje e amanha em Montreal. Esperava encontrar empresas-expositoras que participam do evento para vender seu produto, atrair interessados em conhecer um pouco mais o mercado de trabalho quebequense.
A supresa foi constatar que na verdade o salao é uma boa oportunidade para deslanchar a possibilidade de um futuro emprego, falar abertamente com diretores e gerentes das empresas dos mais variados ramos, deixar seu curriculo pessoalmente e trocar cartoes, fazer efetivamente contatos com quem tem interesse em recrutar. Tudo de uma forma muito aberta e simples.
No Palais de Congrès, onde acontece o evento, a estrutura preparada para receber os que buscam trabalho é muito bem organizada e o interessado nem precisa se preocupar em tirar xerox de seu curriculo. Ha um stand proprio para isso, além de empresas de recrutamento, universidades que oferecerm cursos de formaçao continuada e até a Cruz Vermelha, caso alguém se interesse por trabalho voluntario. Isso funciona muito por aqui e pode ser considerado uma experiência de trabalho.
Nao posso falar do Canada de um modo geral, mas a partir de minha experiencia no Quebec, o que se percebe é que ha muito emprego e por isso o contato direto e as facilidades oferecidas para quem busca trabalho sao muito grandes. Se você quer falar com o diretor ou responsavel da sua area numa determinada empresa, nao ha problema e empecilho nenhum em ligar diretamente no seu numero de telefone e marcar um horario para discutir um possivel emprego.
Parece bobagem, mas eu mesma arrumei trabalho em 48 horas. Tudo bem, nada na minha area, mas a experiência serve de referência para mostrar como existe demanda de mao de obra por aqui. Posso estar enganada, mas somente fica sem trabalho, quem quer.
Para Constar:
Estou cansada, o texto ficou confuso e hoje, particularmente, ha uma mistura incrivel de portugues e francês na minha cabeça. Alem disso, excepcionalmente para esse post, nao havera fotos. Je suis désolée.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Primeiro Dia

Hoje foi meu primeiro dia de trabalho. Nao fiz muita coisa, exceto conhecer minha colega com quem devo compartilhar grande parte do tempo no escritorio. Ela se chama Flavia, é peruana e se ocupa do serviço UNYK em espanhol. Ainda nao ajustamos nossos horarios, mas pelo que Karine, minha chefe, explicou, o horario é bem flexivel e podemos nos organizar segundo nossas necessidades. O importante é cumprir a carga horaria prevista em contrato. Achei isso o maximo, pois nao preciso comparecer no escritorio todos os dias, nos mesmos horarios. Detesto esse negocio de firma que quer amarrar o funcionario no pé da mesa.
No mais, Flavia é simpatica e prestativa. Tem parentes no Brasil, entende português e nossa comunicaçao foi uma salada, uma mistura de português, espanhol e francês.
Ela tratou de me passar todo o tipo de informaçao necessaria, mas confesso que ainda nao consegui captar tudo e acho que somente quando colocar a mao na massa aprenderei os detalhes e macetes. Minha chefe tambem parece ser OK. Ah, também conheci o big boss, dono da empresa. Nada de especial a declarar, exceto que ele tem cara de chefe dono do pedaço.
Outra coisa que me chamou a atençao é que o ambiente de trabalho é bem diferente do Brasil. O clima é mais austero e contido, cada um na sua mesa, sem muito contato com os demais colegas. Se nao estou enganada, aqui nao tem isso de chamar para tomar um cafezinho, sair para comer na hora do almoço (muitos trazem marmita de casa e a esquentam na propria cozinha da empresa) e passar na baia do colega para jogar conversa fora.
Claro, nao chega a ser um quartel general, mas parece que o tempo em que estao no escritorio, todos trabalham efetivamente. Nao da para enrolar, dar um perdido. Ate para escapar e ir ao banheiro tem de sair do escritorio e seguir pelo corredor. Isso implica fazer um longo percurso e passar o cartao magnético na porta para ter acesso ao toilette.
O unico momento de descontraçao é quando os rapazes param para jogar pembolim. Sim, ha uma mesa instalada bem no meio da grande sala. Perguntei para Flavia se o jogo era para relaxar e, ao que tudo indica, somente os meninos se interessam pelos bonequinhos jogando futebol.
Contive-me para nao abrir o bocao e perguntar qual era a distraçao das meninas, pois nao reparei nenhum outro jogo por perto. Sera que nao vai ter momento relaxamento para as funcionarias? Ah, deixa eu ganhar mais confiança e vou propor alguma coisa. Como assim, as mulheres nao relaxarem com outra coisa ja que nao gostam de pembolim (se bem que eu gosto, mas grito muito quando jogo e insulto o adversario. Sou uma pessoa um pouco competitiva)?
Quanto à atividade em si, nao acho que exigira muita inteligência. Mas até isso gostei, pois comentei com alguns amigos que nao me importaria em arrumar uma atividade mais mecanica e menos cerebral. Ainda assim, comentei com Karine o que pode ser melhorado no site na versao em portugues. No domingo, fiz uma pesquisa a fundo no UNYK e encontrei algumas falhas, coisa pequena que ocorre quando se decidi traduzir literalmente de uma lingua para outra.
Nao tinha a inteçao de comunicar os erros agora, afinal, acho que isso nao é assunto para um primeiro dia de trabalho. Mas, como ela abordou exatamente esse tema, falei tudo. Assim, além de atender os usuarios, ficarei encarregada tambem de revisar o site, corrigir erros, escrever textos mais atraentes e objetivos, tipicos da linguagem de internet. Vamos ver, acho que vai ser uma experiência interesssante.
Para Constar:
Ariella, minha professora de inglês, distribuiu as provas que fizemos na semana passada. Minha nota foi 36 num total de 40. Nada mal, mas nao deixo de repetir que o exame foi muito primario.

Don Juan dos Apartamentos

Ontem, postei nesse blog que estou procurando outro lugar para morar. Queridos leitores, juro que tentei conviver com minha colocataria, mas nao tem jeito. Entao, estou à procura de outra pessoa. Desta vez, ao invés de somente buscar por anuncios, decidi eu mesma publicar meu perfil e o que estou procurando. Isso é muito comum por aqui e funciona. Publiquei algo correto, objetivo e sem exageros.
Curiosamente, obtive respostas somente de homens. Nao tenho problema nenhum em dividir moradia com rapazes, ate porque minha experiência de apartamento na França deslanchou a partir do momento em que fui morar com um homem. Aqui, porém, minha primeira experiência nao foi das mais bem sucedidas. Na primeira visita que fiz hoje a um apartamento de um homem que respondeu ao meu anuncio, o interesse era outro. No começo da conversa, pensei que estava enganada. Demoro um pouco para cair a ficha. Depois, o sujeito foi tao direto que nao restava mais duvidas: com a desculpa de procurar colocatarias, o cara queria uma mulher, uma dama de companhia, para nao dizer outra coisa.
Fiquei ligeiramente chateada, mas quando o nivel de aborrecimento começou a aumentar, nao me deixei abater e disse a mim mesma que sendo mulher e viajando sozinha, corre-se esse tipo de risco. Por isso, todo cuidado é pouco em qualquer parte do planeta.
No meu caso, fui desatenta, vacilei. Liguei para saber mais sobre o apartamento e o cara nem me deu detalhes sobre o lugar, preço, que tipo de pessoa procurava para dividir. Também nao perguntei e aceitei direto o convite para ir ao seu apartamento sob o pretexto de conhecer o lugar.
Como estava um pouco desorientada porque fiquei mais tempo do que imaginava no trabalho e me atrasei para as outras visitas que tinha me programado, aceitei o convite sem pestanejar. Cheguei la e na hora percebi que no apartamento, na verdade um loft pequeno com espaço para somente uma pessoa e sem um quarto privativo, estava bem longe de servir de abrigo para mais alguém.
Fiquei nervosa, claro, mas em nenhum momento senti que algo de grave pudesse acontecer comigo. Nessas horas, o instinto fala alto. Acho que foi mais uma mistura de constragimento, nervosismo, surpresa e um certo nojo do homem que, por sinal, era bem apresentavel, embora desprezivel com seu papinho sedutor de Don Juan dos apartamentos. Às vezes você nao tem como prever as ciladas, mas é preciso estar atento.

domingo, 14 de setembro de 2008

Procura-se

Procura-se uma pessoa do bem em todos os sentidos para dividir apartamento em Montreal. Se você conhece alguém que esta na mesma situaçao que a minha, por favor, avise, mande email, entre em contato, manifeste-se, deixe um comentario nesse blog. Obrigada.

sábado, 13 de setembro de 2008

Belle Journée

Tive uma semana muito legal! Arrumei um emprego, conheci novas pessoas, fizemos passeios pela cidade e cheguei ao ponto de ter meus dias cheios, tamanha a quantidade de atividades. Claro, nada comparado ao ritmo frenético de Sao Paulo, mas cada dia tinha um compromisso e poucas vezes fiquei em casa.
Hoje, fui ao meu segundo Meetup e la conheci Nathalie, uma garota parisiense que esta em Montrel ha dois meses. Assim como eu, Nathalie decidiu ir ao Meetup para falar inglês. Conversamos bastante e acho que houve uma certa empatia. Da minha parte, gostaria de encontra-la mais vezes para sair, conversar, me divertir. Nesse mesmo encontro, conheci uma chinesa, a Pek - nao sei escrever seu nome -, instalada ha 10 anos em Montreal.
Ela é mais velha do que Nathalie e eu, mas tem um espirito jovem, é esperta, inteligente e tem experiência quando o assunto é Quebec e Montreal. Assim que o Meetup acabou, rapidamente formamos um trio bacana a saimos para andar pela cidade. Terminamos o dia num restaurante do bairro chinês. Une très belle journée!

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Cha Cha Cha

Incrivel como a latinidade é apreciada por aqui, pelo menos no que se refere à dança. Jamais poderia imaginar que em pleno centro de Montreal houvesse tantas escolas de dança onde o ritmo predominante é o latino. Rumba, merengue, tango, salsa e até samba sao ensinados e contam com uma clientela interessadissima em requebrar.
Em apenas um quarteirao, conheci três escolas do gênero. Escondidas atras de pequenas portas quase imperceptiveis diante da quantidade de estabelecimentos comerciais do centro, o que se vê la dentro sao amplos espaços e pessoas de todas as idades e nacionalidades animadas ao som do cha cha cha.
Com professores nativos, essas escolas oferecem sessoes gratuitas e abertas a qualquer interessado. Curioso é perceber que as pessoas aparecem mesmo e nao importa se estao preparadas para ensaiar os primeiros passos. Vale tudo: calça jeans, mulheres de sandalia de salto alto, homens em trajes sociais. Aqui entre nos, estou longe de ter ritmo no pé e sequer sei sambar, mas nao deixa de ser engraçado ver o pessoal tentar seguir a coreografia dentro do compasso. Parece faltar o molejo, a ginga, o rebolado, enfim, um balançar das cadeiras talvez peculiar aos latinos.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Caiu no Colo

Sabe aquela historia de estar no lugar certo, na hora certa, com a pessoa certa? Pois é, nao acredito em casualidades, mas o fato é que hoje arrumei emprego desse jeito, sem necessariamente estar à procura. Claro, tinha organizado meu CV e marquei horario para 16 de setembro com o pessoal do serviço de emprego de Montreal, mas a parte pratica de envio de curriculos e maratona de entrevistas ainda estava longe dos meus planos.
O fato é que na terça-feira à noite, navegando num site de busca que oferece de tudo (o famoso kijiji.com), cliquei na sessao de empregos para dar uma olhadinha. Sempre desconfio um pouco de anuncios de qualquer especie em sites, mas como nao tinha grandes pretensoes e sempre movida pela curiosidade, fui la assuntar. De repente, vejo uma chamada em letras garrafais de uma empresa que exigia português (do Brasil) e francês como um dos requisitos para preencher a vaga.
Abri a pagina e dei de cara com uma empresa do ramo de internet, a UNYK.com, em busca de pessoas que escrevessem bem os dois idiomas. A tarefa é aparentemente simples e consiste apenas em atender a demanda dos usuarios do sistema no que diz respeito a reclamaçoes, duvidas e orientaçoes de como utilizar a ferramenta, participar de testes do site, cuidar do blog, etc. Tudo escrito em português ou francês e enviado pela internet. Enfim, um serviço de atedimento ao cliente via net.
Sem muita esperança, mandei um email pelo proprio kijiji perguntando para quem poderia encaminhar meu CV. No dia seguinte, veio a resposta. Mandei meu CV, trocamos emails ao longo da quarta-feira, e no final da tarde a empresa queria marcar uma entrevista para hoje, quinta-feira. Agendamos tudo para às 14h e em apenas 2 horas estava com o emprego nas maos!!!
Fui entrevistada, sempre em francês, pela gerente de marketing da UNYK.com. Alias, aviso aos interessados: nao se apoiem no fato de que por ser uma cidade bilingue, basta aprender um francês de combate para se virar no dia a dia de Montreal. O inglês é fundamental como sempre o foi em qualquer parte do planeta, mas é preciso, sim, saber bem o francês. Dai a importância de estudar seriamente o idioma. Finalmente, fiz um teste em que consistia escrever em português e francês uma curta resposta a um cliente supostamente grosseiro e insatisfeito com o serviço oferecido. Ela leu a parte em francês, gostou e começo na segunda-feira.
Detalhe: como a gerente nao sabe nada de português, pensei que algum conhecedor do idioma corrigiria o outro texto, afinal, pelo que entendi, minha parte sera atender exclusivamente os falantes de português. Nao tinha ninguem!!! Como sou jornalista, a diretora de marketing disse que confiava na qualidade do meu texto. Vocês ja viram isso em algum lugar, alguém te contratar porque confia em você???? Poderia escrever barbaridades e tudo bem!
E o que é na verdade a UNYK? Nada mais é do que uma agenda eletrônica de endereços, uma espécie de mailing list. Ao contrario do Orkut ou do Facebook, onde os usuarios trocam mensagens, fotos e videos, a UNYK oferece um serviço gratuito ao interessado que deseja ter sua agenda de contatos em dia. Nao se trata, portanto, de um meio para formar uma rede de amizades.
Para isso, basta se cadastrar no site, inserir seus dados (endereço, telefone e outras informaçoes) e convidar amigos, colegas de trabalho, contatos do email, yahoo, hotmail, orkut, enfim, quem quiser para fazer o mesmo. Quando o usuario ou um de seus contatos da agenda eletrônica atualiza alguma informaçao - como novo telefone ou endereço -, o sistema automaticamente se encarrega de fazer essa mudança para ambas as partes. Assim, os dados se mantêm sempre atualizados. Uma maneira pratica de ter todos os telefones, endereços e emails em maos.
O lado B dessa historia toda (sempre tem um lado B em tudo) é que o trabalho é de 12 horas semanais, das 9h às 12h. Se bem que nao achei ruim, assim consigo programar meu tempo para, quem sabe, voltar à universidade e me envolver em outras atividades que gostaria de fazer em Montreal. O salario também nao é dos maiores, mas o suficiente para bancar o aluguel e o supermercado da semana.
Mesmo assim, estou contente. Para um primeiro trabalho que praticamente caiu no meu colo, nao tenho do que reclamar. Claro, nao tem nada a ver com minha area, no entanto, considero positivo o fato de que esse emprego vai me oferecer a possibilidade de fazer novos contatos (a equipe é jovem e estou animadissima para conhecer meus novos coleguinhas de trabalho, rs...), aprender como é o jeito de trabalhar dos canadenses e adquirir o que eles chamam por aqui de "experiência canadense".
É contraditorio, pois na condiçao de recém-chegado ao Canada, como ter alguma experiência se nao te dao uma chance de trabalho seja la qual for a atividade? Isso nao chega a ser um grande entrave para conseguir um job, mas ha casos de pessoas que estao ha quase um ano a procura de uma colocaçao no mercado e ainda nao encontraram nada, nem mesmo meio periodo e com um salario menor.
Evidentemente, muitos desses profissionais têm um nivel de exigência grande, pois nao abrem mao de atuar nas suas areas. Poderia fazer o mesmo, até porque nem tinha começado minha triagem por empregos. Mas, como disse antes, sou do time que prefere estar no meio da muvuca para ver o circo pegar fogo. Uma vez dentro do barco, a gente vê para que lado vai remar.
Para saber mais: http://www.unyk.com/

Outono

Devagar o outono da sinais. Para mim, acostumada às tardes outonais luminosas e muitas vezes quente de Sao Paulo, o outono de Montreal mais parece o inverno paulistano. E olha que considero a cidade fria, com temperaturas que chegam a 8 graus ou menos nas madrugadas mais geladas. No entanto, essa é a temperatura que tem feito na parte da manha por aqui. Imagine quando o inverno chegar pra valer? Que medo!
Amanha, porém, a meteorologia prevê um clima mais generoso para os quebequenses: 14 graus de manha, 22 graus à tarde e 18 graus à noite. Existe a possibilidade de chuva durante o dia todo, portanto, a sensaçao térmica sera muito mais baixa. No momento, os termômetros marcam 13 graus, com apenas 20% de chances de chuva.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

The Book Is On The Table

Fiz minha primeira prova de inglês. Teremos mais um teste até o final do curso, no começo de outubro. O exame foi facilimo e nao digo isso porque arraso no inglês. Simplesmente porque o curso é fraco e a professora deixa a desejar.
Para quem esta no nivel 7 e tem somente mais tres estagios pela frente para terminar o avançado, aprender questoes como: Do you speak English? Yes, I do ou Is she Canadien ? No, she isn't é dose! Sem contar que também estudamos Simple Present e Present Progressive. Ok, acho importante, mas convenhamos que isso é bem elementar.
Ate agora, e ja se vai um mês de aula, nao aprendi nada novo. Vamos ver minha nota na proxima semana para confirmar minha tese de que investi tempo e dinheiro num colégio conhecido por aqui, mas cuja qualidade de ensino nao reflete seu renome.


terça-feira, 9 de setembro de 2008

Sem Fio

Sei que estou repetitiva, mas a Biblioteca Nacional é muito legal! Desde que me tornei uma associada, passei a frequenta-la praticamente todas as semanas, especialmente o quarto andar, onde se encontram os CDs e DVDs. Cada vez que retorno a esse imenso espaço, descubro algo novo. Da ultima vez, fiquei sabendo que é possivel reservar DVDs e assisti-los na propria biblioteca, num espaço tranquilo e muito agradavel. Para quem nao tem aparelho de DVD em casa, como é o meu caso, é uma excelente opçao. Ainda nao escolhi nada, mas ja bisbilhotei o acervo e observei que tem filmes interessantes.
Na semana passada, mais uma coisa legal. Reparei que muita gente passava horas em frente a seus laptops. Por alguma razao, pensei que as pessoas assim o faziam porque estavam envolvidas em alguma pesquisa e precisavam do computador para escrever seus trabalhos. Depois, me dei conta de que era possivel conectar-se e acessar gratuitamente a internet por tempo ilimitado. A famosa wireless. Como quero fazer parte de tudo, hoje decidi trazer meu laptop e me conectar também. Vocês acham que eu perderia a oportunidade de abrir minha mochila, tirar meu laptop, fazer caras e bocas e me conectar??? Nem morta! Quero participar da rebeliao, estar no meio da muvuca!
Neste exato momento, aqui estou eu postando diretamente da Biblioteca Nacional e fazendo cara de que sou mega experiente nesse negocio. Tudo bem, da primeira vez que tentei me conectar, nao consegui, mas ninguém precisa saber disso. Imaginei que precisasse pagar alguma taxa, mas depois de tirar a duvida no balcao de informaçoes, percebi que o problema era eu mesma que nao sabia minha senha. Segunda tentativa e voilà l'Internet!
Agora que descobri essa possibilidade, nao vou nunca mais sair daqui. Andei olhando e acho que se quiser é possivel até morar aqui: poltronas confortaveis, silencio, climatizaçao, musica, livros, televisao, banheiros, lanchonete, gente bonita. Precisa de mais alguma coisa?
Para saber mais: www.banq.qc.ca

domingo, 7 de setembro de 2008

Sem Noçao

Sei que é fim de linha, mas acreditem, sai de casa uma hora antes do horario previsto para a aula de salsa, procurei o endereço no Google Maps e certifiquei-me qual a estaçao de metrô deveria descer. Mas, por algum motivo qualquer, nao encontrei o lugar. Montreal é uma cidade de porte médio e bem sinalizada, mas quando uma pessoa perdida como eu decide se aventurar por suas ruas, a chance de passar horas dando voltas no mesmo lugar é bem grande.
Nao tenho nenhum senso de direçao e aqui nao da para aplicar a mesma teoria que utilizava em Sao Paulo: se estiver perdida, siga sempre em frente. Em Montreal, como a cidade é bem projetada, chega uma hora que as ruas acabam e você é obrigado a escolher outro caminho. Esse momento é delicadissimo para um desorientado, pois implica fazer um escolha baseada em algum ponto de referência que, obviamente, nao existe para um sem noçao. Para compensar a aula de salsa que nunca existiu, aproveitei o lugar onde estava perdida e comprei um belo par de botas a preços imbativeis! Pois é, perde-se a salsa, encontram-se as botas.

sábado, 6 de setembro de 2008

Meetup

Ha cerca de duas semanas, uma colega do curso de inglês, parisiense que ficara em Montreal até final de setembro, comentou sobre um grupo que se reune em pontos diferentes da cidade para praticar francês e inglês. Para fazer parte do Meetup, como é chamado, basta se inscrever no site e acompanhar as datas e os lugares dos encontros.
As reunioes sao bem informais e, para além da pratica do francês e do inglês, o principal objetivo é conhecer pessoas, conversar, trocar ideias, experiências, enfim, bater-papo. Estimulada por minha amiga parisiense, inscrevi-me no site, mas somente hoje compareci ao meu primeiro Meetup.
Confesso que no inicio e mesmo hoje nao estava muito animada a fazer parte do grupo. Depois, pensei melhor e cheguei à conclusao de que se o negocio ficasse chato demais, nao seria obrigada a permanecer até o fim. Por outro lado, nunca se sabe quais as pessoas que se vai cruzar numa experiência como essa. Sempre é uma supresa, para o bem ou para o mal. Entao, como sou do time que prefere assuntar ao invés de deixar para la, fui ver o que era esse negocio de Meetup.
Encontramo-nos na Place Ville Marie, uma especie de praça de alimentaçao localizada num dos varios shoppings gigantescos que ha por aqui. O local foi escolhido por estar perto do centro, do metrô, ter acesso a banheiros, às mesas e à alimentaçao. Instalados nas mesinhas, os grupos de inglês e francês se formam aleatoriamente e pode-se transitar neles sem problemas, independentemente do idioma que se fala.
Como era minha primeira vez e para nao me sentir tao deslocada e timida, instalei-me na mesa francofona. Passei a primeira parte do tempo em silencio, escutando o bate-papo dos outros. Sempre em francês, conversei com um aqui e ali, mas somente me senti mais à vontade - até para me arriscar no inglês - mais para o meio do encontro.
Além dos proprios quebequenses interessados em falar inglês, o grupo é formado por diferentes nacionalidades: tunisianos, argelinos, chineses, ingleses, brasileira como eu, coreanos, enfim, uma verdadeira salada. Depois de algumas horas de conversa, nao é dificil alguns integrantes do grupo - assiduos frequentadores do Meetup e moradores de Montreal -, convidarem os demais para outras atividades: festivais, dança, musica, piquinique, etc...
Hoje, por exemplo, Richard, um senhor de origem polonesa que fala perfeitamente inglês, francês e alemao nos chamou para um festival de comidas e musica ucraniana. Infelizmente, choveu forte à tarde e como o evento era a céu aberto, mudamos de idéia. Amanha, porém, havera aulas gratuitas de salsa em algum lugar por aqui. No começo, acho que nao entendi direito e aceitei o convite pensando se tratar de um festival de salsa, com apresentaçao de dançarinos profissionais. Somente depois me dei conta de que se tratava de aulas de dança.
Digamos que salsa nao esta entre meus gostos musicais preferidos e nao tinha planejado balançar as cadeiras em pleno domingo. Mas, como tudo pode ser surpreendente, la vou eu de novo ver no que vai dar. Vocês me imaginam rebolando ao som da salsa? Pois é, depois conto os detalhes sordidos.
Finalmente, como a chuva nos impediu de ir ao festival ucraniano, o grupo se dispersou. Alguns tinham outros compromissos, outros, pegaram o metrô. Eu, como nunca tenho nada muito sério para fazer e ja havia engatado uma conversa com uma garota de Hong Kong que ja viajou muito por todos os cantos e outro argelino que ha um ano esta em Montreal, decidimos voltar para a Place Ville Marie.
Ficamos mais um bom tempo batendo papo. Foi muito bacana, porque cada um de nos esta num momento diferente vivendo em Montreal. Para mim, ha pouco mais de um mês instalada na cidade, é sempre muito enriquecedor ouvir as historias do que estao aqui mais tempo. Aprendo sempre. Para quem estava desanimada com o Meetup, posso dizer que valeu a pena e ja estou me programando para os proximos encontros. Desta vez, vou me jogar no inglês.
Para saber mais: http://www.meetup.com/

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Dentes Limpos, Questao de Cultura

Comentei com Marie que gostaria de ir ao dentista para verificar se minha saude bucal esta em dia. Recentemente, visitei o dentista ainda no Brasil, mas acho que seria uma boa abrir o bocao para dar uma olhadinha. No Canada, embora o sistema de saude seja publico e, teoricamente, todos tenham acesso a médicos, hospitais e medicamentos, o mesmo nao se aplica à odontologia. Pior ainda, custa bem caro.
Isso explica porque as pessoas têm os dentes em situaçao lastimavel. Se o sujeito nao tem condiçoes de pagar um tratamento dentario, ele simplesmente nao vai ao dentista provavelmente ao longo de muitos e muitos anos, pois somente assim se justifica o sorriso medonho e banguela de muitos.
Para ajudar a entortar os dentes de vez, Marie me disse que os quebequenses (nao sei se em todo o Canada é assim) raramente escovam os dentes três ou mais vezes ao dia, quando necessario. No maximo, de manha e antes de dormir. Questionei como faziam depois do almoço e em outras ocasioes em que os dentes ficavam sujos. Ela me explicou que nao faz parte da sua cultura limpar os dentes repetidas vezes.
Alias, Marie comentou que lavo demais meus dentes e observou que o tempo todo eu os escovo. Da minha parte, também ja tinha percebido que ela escova pouco e muito rapidamente os dentes, sem contar que nao usa fio dental e muito menos fica em frente ao espelho com a boca arreganhada olhando os dentes, a lingua, gargarejando e gritando aaaaaaahhhhhhhh!!!
Exageros e brincadeiras à parte, expliquei que no Brasil faz parte da cultura normalmente escovar os dentes três vezes ao dia, inclusive no trabalho, depois do almoço. Às vezes, dependendo da ocasiao e se ha a oportunidade, nao é raro ir mais vezes ao banheiro fazer a higiene bucal, mas isso depende muito de cada pessoa. Os dentistas daqui recomendam a higienizaçao com mais frequência, mas tenho para mim que é bastante complicado mudar habitos arraigados. Enfim, questao de cultura.
*****
Para constar:
Hoje sai pela primeira vez com minha câmera digital, mas ainda nao foi dessa vez que registrei imagens legais. Ah, tambem fiz um teste para ver se conseguia tirar uma foto. Deu tudo certo. Aguardem meu album. Viva o mundo digital!
*****
Depois de um mês por aqui, tenho me esforçado para adaptar meu sotaque e, sempre que me lembro, utilizo as expressoes tipicas do vocabulario quebequense. Às vezes nao funciona, pois no calor do bate-papo nao penso muito nos termos e apenas deixo a conversar fluir. Percebo que estou muito francesa quando utilizo palavras corriqueiras ao francês da França e os quebequenses rapidamente soltam um sorriso, fazem um comentario engraçado ou simplesmente nao entendem o que digo. No entanto, como tenho compreendido cada vez melhor o sotaque québecois, pensei que ja tivesse incorporado alguma coisa.
Hoje, porém, foi so abrir a boca e puxar papo com duas pessoas na rua que ambas nem me deixaram terminar a frase e me perguntaram: você vem da França? Antes mesmo de dizer que aprendi meu francês na França, mas sou brasileira, meus interlocutores se adiantaram e completaram: vous avez un petit accent français (você tem um leve sotaque francês). E voilà, nao sou mais nipo-brasileira fantasiada de chinesa, filipina ou vietnamita. Agora, virei francesa com um sotaque très charmant tentando falar o québecois, como comentam os quebequenses todas às vezes que me disponho a falar.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Mudança de Habito

Escrevi um post enorme sobre a possivel mudança de habito impulsionada pela convivência com o outro. No final, decidi nao publica-lo e o joguei fora. Enfim, somente para dizer que o exercicio da tolerância e da paciência pode operar milagres, ainda que muito lentamente.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Nikon

Animada com as promoçoes de eletroeletrônicos anunciadas no jornalzinho da Future Shop, uma das grandes redes de eletrônicos por aqui, fui la dar uma espiada nas câmeras digitais, especialmente num modelo da Samsumg, a um preço imbativel de 80 dolares! Loja cheia, muita gente enlouquecida comprando Ipods, laptops, filmadoras e uma galera grande na sessao de fotografia. Como nao entendo nada do mundo digital, mega pixels, cartao de memoria e muito menos tudo isso explicado em francês, fiquei por ali, bisbilhotando. Na verdade, gosto bastante desse negocio de ficar no meio da muvuca, porque é ali que tudo pode acontecer e o circo pega fogo.
Perguntei se ainda havia o modelo da Samsung por 80 dolares. O vendedor rapidamente me trouxe a maquininha. Bonitinha, mas precisava comprar tantas outras coisas para que a câmera funcionasse que, no final das contas e somadas as taxas, tudo me sairia por volta de uns 150 dolares. O preço continuava aceitavel, até o momento que cai na besteira de pedir ao vendedor para me indicar outros modelos. Mais besta ainda foi afirmar com conviccao que nao entendia nada de câmeras digitais.
Claro que o garoto foi logo nos modelos da Nikon e da Canon. E sabe o que aconteceu quando vi as outras câmeras? Nem dei mais bola para a Samsung e acabei comprando uma Nikon Coolpix S210. Nao pergunte o que isso quer dizer, mas ela é linda!!!! Paguei 200 dolares, incluindo cartao de memoria de 4 giga e todas as taxas inclusas.
Na hora, hesitei, mas como gosto muito de fotografia e acho um absurdo nao publicar minhas fotos nesse blog, fiz os calculos e cheguei à conclusao de que a diferença de preço entre a Nikon e a Samsung nao seria tao grande assim. Entao, me dei esse presente.
Ainda nao sei mexer em nada e muito menos consegui fazer minha primeira foto quando tentei manipular o aparelho. Sei que tem de ler o manual, mas é muito chaaaaaaaaaaaaato!!!!! Vamos ver se amanha faço algum progresso e publico minhas fotinhos para vocês.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Nihao

Foi um dia tranquilo, legal, sem grandes novidades ou acontecimentos. Alias, a vida é muito mais ordinaria do que imaginamos, e no final das contas, seja em que pedaço do planeta você estiver, algumas coisas sempre se repetem. A gente come, bebe, dorme, vai ao banheiro, alguns fazem sexo, nem todos tomam banho e a vida segue, nao necessariamente nessa ordem.
Entre todas as coisas simples da vida, a unica que me tira do eixo é passar fome. Acho, nao tenho certeza, mas aguentaria ficar uns dias fedorenta por nao tomar banho, segurar para ir ao banheiro, mas tenho baixissima ou nenhuma resistencia quanto à privaçao de alimentos. Se um dia explodir a Terceira Guerra Mundial por conta da escassez de comida no planeta, serei a primeira a morrer, nao duvido disso.
Para mim, nao existe esse negocio de segurar mais um tempinho para encontrar um lugar para comer. Pior ainda é quando me oferecem uma coisinha para "beliscar", enganar a fome. Ah gente, como assim enganar a fome??? Você engana seu marido, seu chefe, sua mae quando é adolescente, mas nao a fome! Deu meu horario, tenho de comer, porque desmaio, passo mal, meu humor se transforma, tenho tremedeira, enfim, um bicho.
Entao, fui ao cinema hoje à tarde (terça-feira o ingresso custa metade do preço, 5 dolares) e quando acabou a sessao, estava verde de fome. Pensei em comer em casa para nao gastar dinheiro na rua, mas me dei conta de que ainda precisaria passar no supermercado e preparar o pratao. Ate conseguir realmente comer, ja estaria em coma, se é que isso acontece.
A soluçao foi cair num restaurante chinês, em Chinatown. Ok, a limpeza nao era o ponto forte do lugar, mas faminta e com um certo esforço consegui mandar o prato para dentro. Para ser bem honesta, confesso que sujeira nenhuma foi capaz de conter meu apetite e a felicidade por comer arroz (tenho um gosto conservador, adoro arroz sem sal e tempero nenhum), carne com um molho que desconheço, aquele mexidinho de brocolis, cenoura, couve-flor e vagem (pois é, gosto bem de legumes). Tinha até batata e cebola frita, sushi, pizza, frango assado!
Como o restaurante esta localizado num dos principais pontos turisticos de Montreal, acredito que os chineses proprietarios desse estabelecimento decidiram fazer um self service adaptado ao gosto do turista. Basta pagar 15 dolares e come-se à vontade, com direito à bebida e à sobremesa.
No meu caso, optei pelos pratos que estava acostumada a comer no Brasil, ate porque estou com saudades da comida de casa. Tomei limonada porque nao tinha suco de laranja (adoro sucos, especialmente de laranja) e comi melao como sobremesa (tinha uns docinhos bonitinhos, todos enfeitados, mas prefiro fruta).
Havia opçoes mais exoticas, que nao agradam meu pobre paladar, como alguns bichos estranhos e outras coisas boiando nas panelas. Fiquei no trivial mesmo e foi otimo, muito gostoso! Viva a China e os chineses que estao dominado o planeta!!!! Viva o mandarim que em breve todo mundo vai ter de sofrer para aprender se quiser arrumar emprego nessa aldeia global!!!




Ja que o assunto é a China e nao prestei minha homenagem às Olimpiadas de Beijing, vai um clip de um grupo chinês, cujo nome desconheço. Uma mistura de Madonna e Michel Jackson de olhinhos puxados.

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Dia do Trabalho

Primeiro de setembro, feriado do Dia do Trabalho por aqui. Mesmo com o sol e o calor forte que fez hoje, as ruas estavam mais tranquilas, pouca gente circulando e comércio de portas fechadas.